❝Eu me fecho no meu mundo, porque às vezes canso do mundo se fechando pra mim.❝
...
- +
Sempre achei engraçado demais a maneira e a frequência com que você perguntava se os meus textos eram para você. Mas eu negava, como se eu estivesse ocupada o suficiente para não fazer este favor: tirar o nó que você tinha na garganta. Eu negava, porque de todos os textos eternizados e de todas as lágrimas cristalizadas, eu queria que a gente perdurasse mais que tudo; Mais que os textos, mais que as lágrimas. Porque eu sempre pensei sobre como você me acharia fácil demais, estregue demais, acessível demais. Aí você iria embora e voltaria quando fosse conveniente… E eu não queria isso. Eu queria que ao menos, aquele texto triste, só servisse de recordação… Só para demonstrar que o amor tem lá suas fraquezas, desavenças, friezas, deficiências e problemas. Eu queria, mais que tudo, que você não se orgulhasse por receber um texto, mas sim por ter me conquistado como bem maior. E eu te olhava com um sorriso de orelha à orelha, dizendo que nada a ver, que coisa sem cabimento, que coisa sem fundamento e sem precisão. Desviava o assunto: E aí, como foi seu dia?, e você tornava a perguntar se o texto era para você, e eu terminar com um “não” e um ponto bem gordo e enfático depois dele. Nos dias que se seguiram, lá íamos brigar e ter um estresse semanal. E a gente ficava sem se falar por horas, dias… E era neste período de tempo que eu mais escrevia: sobre quão cafajeste, sem coração, desumano, orgulhoso, imaturo, idiota e passivo. Eu te odiava por horas, por dias. Mas você, previsível, vinha com a maior cara de pau, perguntando se aquela pilhas, aquele monte - até as folhas amassadas no lixo - se elas foram feitas para você. E eu, mais esgotada da gente, respondia: Mas é claro que não! Você acha mesmo que meu tempo é destinado somente a você? Você acha que durante esse tempo que nós estivemos longe um do outro eu tive tempo para pensar no nosso romance pra lá de desequilibrado? Mas é claro, óbvio, nítido que não. E eu, mais que achava engraçada a sua maneira chata e incessante de perguntar se foi feito para você, achava mais engraçado ainda a minha maneira tola de negar que era para você. Mas agora, com todas as palavras ditas, com tudo feito, encho a boca para falar que sim, todos os textos eram para você. Desde aquele que você não concordou, até aquele que você se sentiu traído. E eu dizia: Ah, para! É só um texto. Desde os pequenos aos mais extensos e sentimentalistas… Tudo, tudo era seu! Até eu. Mas sabe o verdadeiro motivo para eu achar graça de tamanha tolice vindo de você? Não era em si o fato de você perguntar, mas sim a sua falta de raciocínio e percepção: se meus textos não são para você, para quem serão?
Alugue Felicidade “Mabel ao ex, quem sabe eterno amor.”  (via inverbos)

(Source: aluguefelicidade)

Eu tô sempre esperançosa que melhore, que flua, que aconteça. Mas uma hora a gente duvida da fé. Uma hora a gente cansa.
Clarissa Corrêa. (via inverbos)
E eu continuo indo, seguindo meu caminho. Mudando, errando, mas principalmente, aprendendo com o que eu erro. Não me preocupo se minha evolução é lenta, contanto que ela seja pra melhor.
Tati Bernardi. (via inverbos)

(Source: auroriar)

"É complicado" Ele disse com aquele sorriso cafajeste. E eu disse que aquela era a pior desculpa do mundo. Mas, é complicado sim. Tão complicado quanto explicar as cores pra um cego.
It’s a Metaphor, Hazel.   (via inverbos)

(Source: orquestrando)

Bem, eu realmente aprendi algumas coisas e uma delas é que a felicidade não tem nada a ver com a aprovação das outras pessoas. O que é realmente importante é estar feliz com você mesmo, encontrar alguém que é importante para você e seguir adiante sem ligar para que os outros falam.
Kurt Cobain.   (via inverbos)

(Source: munida-de-sentimentos)

Alguns dos melhores momentos da vida a gente experimenta de olhos fechados, tudo o que acontece dá para imaginar… Tudo o que se imagina, pode acontecer.
Cecília Meireles. (via inverbos)

(Source: c-a-n-a-r-i-o)

Meus romances nunca deram certo, deve ser por isso que não acredito no amor. Sempre tem entrada e saída de pessoas em minha vida que nunca me acostumei. Mas eu tenho esperanças, afinal, até panela tem sua tampa, o tênis tem seu cadarço, o brinco tem sua tarraxinha. O amor é um quebra-cabeças que parece que nunca irá ser montado, mas ainda tem todas suas peças, só basta encaixá-las. Mas amar é isso: se jogar sem saber onde irá cair, aonde irar parar, se vai ficar na curva ou seguir em frente, mas eu ainda espero que ele me faz acreditar nele.
Fernanda Gomes.  (via inverbos)
Fechei os olhos, apertando-os tanto que doía. Tentando empurrar para longe tudo o que eu via dentro da minha cabeça.
Os 13 porquês. (via inverbos)